FANDOM


Pássaros (NA)
Titas simbolo
Informações Gerais
Série Titãs
Temporada 1
Arco Apresentações
Número do Episódio 2
Sequência
Episódio Anterior Titãs, Vão!
Episódio Seguinte Novos Parceiros
Créditos
Escrito por Ominimon

Pássaros é o segundo episódio da série Titãs.

SinopseEditar

Robin, trabalhando sozinho novamente, recebe, sem aviso, ajuda de uma dupla de amigos que não os via há tempo.

EnredoEditar

Dick acorda em seu quarto da grande Torre Titã, uma torre em forma de “T” com academia, sala de treino, sala principal, cozinha e vários outros cômodos, como os quartos de seus integrantes. Dick levanta-se e observa o mar por uma parede de vidro ao lado da cama. Ele troca-se e põe seu traje de Robin. Dentro da Torre os heróis costumam usar apenas seus trajes. Roupas comuns, com exceção de pijamas, são usadas apenas fora da Torre, como disfarce.

Dick dirige-se a porta que se abre automaticamente para que o garoto passasse. Dick chega a um corredor com quartos vazios e segue direto até a sala principal onde há uma enorme tv que os Titãs usam para localizar crimes, saber de noticias ou até mesmo jogar videogames como Mutano. Dick tem experiência como Hacker e costuma usar a tv para se informar e resolver alguns casos.

Dick senta-se no sofá, que se ajusta para perto do monitor, e facilmente encontra um novo alvo, um cara de preto e bem forte que não faz nada além de roubar celulares de vitimas, e por esses relatos Dick o encontrou. Ele é mencionado como ágil e bastante furtivo, entretanto não deve ser um grande problema. Dick levanta-se e sem muito barulho desce por elevador até a garagem.

Lá, monta em sua moto personalizada com as cores de seu traje, amarelo, verde e vermelho. Toma partida e sai pelo portão da garagem que se abre para cima, revelando a ilha e levando até a ponte que liga a Torre Titã a Jump City. Deixa a Torre sem falar com nenhum de seus amigos e ainda desliga o Comunicador.

Robin tem agido estranho ultimamente, saindo sozinho, lutando sozinho, como se mais nada importasse, mas na verdade tudo proveio de sentimentos estranhos vindo dele. Sentimentos que ele nunca imaginou que teria.

Como o ladrão vestido de preto só age à noite, Robin passou o dia todo fora, vadiando em sua moto como se não tivesse mais nada de relevante para fazer. Não deu noticia aos seus amigos, Robin tentava não se importar, porém ele autopressionava-se sabendo que não era costume dele sentir-se assim. Robin sempre gostou de ter todos os seus amigos ao seu lado, mas essa nova equipe... eles não eram bem amigos.

Anoiteceu e nada aconteceu, Robin não encontrou ninguém. Estacionou a moto e passou a procurar pelos prédios, pelas praças, pelos becos, nada, ninguém, nenhum movimento por ali. Desceu e começou a caminhar. Uma dor de cabeça tremenda o fez cair no chão, subitamente tudo ficou preto, Robin estava no vácuo, nem o chão ele conseguia sentir. Foi tão do nada, tão depressa. Ergueu a cabeça e olhou fixamente para frente, coração acelerado, cabeça rodando, tentou permanecer-se calmo, mas até sua respiração já não era a mesma.

Sentiu uma presença estranha, tinha alguém ali, tinha alguém ao seu redor exatamente. Como se aquele ser estivesse em todos os lugares ao mesmo tempo. Robin sentiu medo, entretanto não deixou de empertigar-se. No lado direito, uma luz brotou, uma luz que aos poucos formou um par de olhos vermelhos que olhavam fixamente para Robin. Ele hesitou para trás meio tremulo. A luz sumiu, a escuridão desapareceu, tudo voltou ao normal.

Antes que Robin pudesse recompor-se, um homem alto e totalmente preto dispara-se, agarrando Robin sem reação, manobrando e acertando diversas partes de seu corpo. O homem acerta seu rosto, cortando os lábios. Com chutes nos joelhos Robin cai e é facilmente manipulado.

Robin libera gemidos ao ser arremessado contra a parede. Ao cair, pressiona os braços contra o chão tentando se levantar. Sua cabeça começa a doer antes que perceba que recebeu um golpe nela que o forçou a cair novamente. Tudo estava oscilando, o som dos paços pesados do seu inimigo era uma tortura para Robin.

Ele é içado e pressionado contra a parede novamente. Reluta para abrir os olhos, evitando que seu corpo apague. Fita seu inimigo com esforço. Um homem alto e aparentemente bem forte, de uniforme preto que dificulta ser reconhecido sob aquela madrugada.

– Eu acho que o passarinho perdeu – riu – Sabe, gatos adoram brincar com passarinhos abandonados e indefesos – Algo em sua mão reflete a luz da lua, uma faca talvez.

Ele aproxima devagar a faca em direção ao pescoço do garoto. Robin resiste, mas é cada vez mais pressionado contra parede, o forçando a soltar um curto grito de dor.

Um vulto cai sobre os dois, logo o inimigo é erguido e em seguida lançado em outra parede do beco. Pela escuridão, não é possível identificar o que está acontecendo, mas poderia estar a favor de Robin. Encostado na parede, senta-se e agarra o braço esquerdo que está sangrando. Queria se preocupar com o que acabara de ver, mas agora a situação é outra.

– Lhe garanto, abandonado não. – Robin reconhece aquela voz, é de um velho amigo, Hank Hall, também conhecido como o herói Rapina.

O inimigo ergue-se rapidamente, ainda com uma faca na mão, lança-se em direção de Rapina, este, antes que possa ser atingido de alguma forma, esquiva e, com um soco, procura derrubar seu inimigo.

– Oi Rob! – Alguém surge ao lado de Robin, com uma voz doce, de semblante tranquilo. Um grande e sereno sorriso em seu rosto. É o irmão de Hank, Don Hall, sob o manto de Columba. – Venha, eu te tiro daqui! – Ergueu sua mão para o amigo.

Rapina cai em frente deles enquanto recebe vários murros no rosto. Columba deixa Robin por um instante e parte pra cima, mas é facilmente driblado pelo inimigo, que o agarra pelo pulso e o acerta com uma cotovelada nas costas, em seguida, o joga no chão.

O som de pequenos projéteis cortando o ar se aproxima do inimigo, seguidos por um som ensurdecedor de uma explosão. O inimigo grita de dor, parecia indestrutível, mas não era. Robin, já empertigado, sorri.

– Lhe garanto, indefeso, também não.

Columba, com uma rasteira, derruba o inimigo. Em seguida, Rapina, joga-se em cima dele, o espancando, desmanchando sua mascara negra em forma de gato.

– Como diz aquele ditado: Aves unidas, jamais serão vencidas. – Columba ri novamente, aquele sorriso doce brotando mais uma vez.

– Don, eu acho que esse ditado não existe. – Uma mescla de sopro e riso vindo de Robin.

O inimigo jazia inconsciente e derrotado. Rapina levanta-se, batendo as palmas das mãos rapidamente como se estivesse tirando poeira.

– Garoto, ele quase acabou com você. Você devia ter mais cuidado, sorte sua que estávamos passando por aqui! – diz isso como se fosse um sermão sério de um pai rígido.

– Obrigado, gente. – O corpo ainda muito machucado, quase caindo, Robin tenta permanecer-se de pé. Estava meio atormentado em sua cabeça, mas tentou mostrar que estava bem. – Bem, mas quem é esse?

– Chamam de “The Cat”. – respondeu Columba. – Acha que é uma alusão à “The Batman”? – riu novamente.

– Chega de brincadeiras. Agora a conversa é seria – Rapina franziu o cenho, levantando a cabeça demonstrando autoridade. – Que papo é esse de abandonar tudo?

Robin arqueia as sobrancelhas, olha para Columba, que olhava para cima disfarçando, e desliza os olhos para baixo. Espera até seu corpo conseguir respirar normalmente.

Robin anda sentindo algo estranho vindo dentro de si, um sentimento bastante improvável. Há muito tempo, Robin criou os Titãs procurando mais aventuras e diversão, procurando ter um time em que ele fosse o líder. Mas todo esse sonho acabou. Esse sentimento fez com que a vida de Robin seja entediante. Depressão? Não, algo diferente, e inexplicável.

– Não é uma certeza, mas também não vejo como algo que não se pode fazer. Wally largou o manto e vive bem com uma vida normal.

Robin usava seu traje para movimentar mais sua vida, ele adorava isso, entretanto agora tudo perdeu a graça, e ele não precisava mais sair à noite com seu traje porque não via mais emoção naquilo. É tudo broxante agora. Talvez porque ele está mais velho? Não, os outros heróis são adultos e nenhum desistiu dessa vida.

– Wally não precisa liderar pessoas, Dick. – disse Rapina enraivado. – E os Novos Titãs? E todo aquele problema daquela garota? – Rapina aproxima-se com um semblante não tão agradável.

Columba é um dos melhores amigos de Robin. Mesmo não se vendo há muito tempo, os dois nunca pararam de se falar. Rapina e Columba costumavam não viver apenas em uma cidade, mas sim viajar pelo país inteiro sem ter um lugar fixo. Foi através de Columba que Robin ficou sabendo que há três dias a dupla mudou para o centro de Jump City, e foi através de Columba que Rapina ficou sabendo pelo o que Robin estava passando. Dick não costuma se abrir para Hank, pois todas às vezes ele é mal interpretado.

Rapina também ficou sabendo sobre Ravena. Robin encontrara Ravena há pouco tempo. Os antigos Titãs separaram-se e Robin continuou sozinho, entretanto por um pedido de ajuda de Ravena, Robin criou os Novos Titãs para lutarem contra o pai da garota, que ela afirma ser um demônio comedor de almas. Ravena é assustadora e seus poderes fazer parecer sua presença perigosa demais para seus companheiros, Robin precisa lidar com isso.

Todos os dias gritos abafados são escutados de toda Torre Titã, vindos de seu quarto ainda mais sinistro. Não houve uma invasão demoníaca como Ravena dissera, o que fez com que seus amigos deixassem de acreditar nas coisas surreais que ela sempre dizia, até Estelar começou a ficar desconfiada.

– Ravena precisa de ajuda, ela não consegue controlar seus poderes, têm visões... Ilusões sobre coisas que não irão acontecer, ela pode ser muito bem uma lunática. Já os Novos Titãs podem ficar sob a liderança de Donna. Vejo que ela é ótima líder. Acho que ela pode lidar melhor com a Ravena de uma forma que eu nunca conseguirei lidar. – diz Robin meio cuspindo.

– Seu... – Rapina, irado, aproxima ainda mais com paços pesados e furiosos.

– Calma, Hank. Calma... – Columba salta a frente dos dois, acariciando os ombros do irmão.

Minutos em silêncio sem que ninguém falasse nada. Columba tirara a mão do ombro de Rapina, este que não parava de encarar Robin com o rosto vermelho. Robin olha para cima e sentia o frio da madrugada, já estava amanhecendo, umas quatro ou cinco da manhã ele diria, mas mesmo assim, só queria sair daquela situação constrangedora. Claro, não culpa Columba, ele conhece o amigo, não é um fofoqueiro, apenas um muito preocupado que confia em seu irmão, e acha que ele pode ajudar.

Dick! Dick! – Uma voz desesperada chama pelo Comunicador. – Dick, você está aí? – Era Mutano.

Robin pressiona o Comunicador para responder.

– Estou. – Engoliu em seco. – O que está acontecendo?

Cara, finalmente resolveu nos atender? – diz em um tom de frustração. – Está tudo mal! Estelar foi pega por ela e a Ravena está pirando!

Robin, quando quer refletir sobre sua situação costuma sair sozinho e não mandar contato, o que deixa todos seus amigos furiosos.

– Ela quem? – indagou Robin, franzindo as sobrancelhas.

Hera Venenosa... – A voz de Mutano é cortada por gritos de dor e desespero e palavras sombrias e desconhecidas.

– Gar? – Procurou pelo colega. –  Gar?

Ravena... e Hera Venenosa? O que tudo isso tem a ver?, perguntas surgiram em sua mente. O Que ela faz em Jump City?

– Vá atrás deles. Robin, seu time precisa de você, não pense em abandona-los. – Rapina cruzou os braços. Robin assentiu. Segue em direção a sua moto estacionada a alguns metros, monta e parte atrás de seus amigos.

PersonagensEditar

CuriosidadesEditar

  • Esse episódio seria isolado da história assim como o primeiro e o os outros do Arco Apresentações, mas isso foi mudado.
  • O nome Pássaros veio da relação Robin - Rapina e Columba, e Robin - Ravena. Ambos heróis simbolizam aves.
    • Rapina simboliza um Gavião, Columba um Pombo, Robin um Pisco-de-Peito-Ruivo e Ravena um Corvo.
  • O nome do episódio seria Velhos Amigos, mas ficaria muito parecido com o nome do próximo episodio que é Novos Parceiros.
  • Como a maioria dos episódios esse também foi finalizado totalmente diferente da ideia original.
    • Foi quase reescrito para ter mais a ver com a trama toda.
  • The Cat, nos quadrinhos, foi um dos primeiros vilões enfrentados pela dupla Rapina e Columba original.
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.